Logo do Eirene

Levando famílias à harmonia

Com Quem o Líder se Aconselha?

Por Noé Staley Gonçalves

O Dr. Frank Lake contou-nos que quando se preparava para dirigir os encontros de “terapia primal”, promovidos pelo CPPC e ABUB em 1978, ele foi visitar seu orientador espiritual. Este era pastor de uma pequena paróquia longe de Londres. Depois de conversarem caminhando pela praia deserta, seu “confessor” o levou às dependências do templo, onde um pequeno grupo carismático, que estava de “plantão”, orou por sua viagem ao Brasil.

Fico imagino o quadro tocante: aquele psiquiatra e teólogo famoso, cuja experiência orientou muitos líderes cristãos, sendo aconselhado por anônimos irmãos que nem o conheciam! Bem-aventurado o líder que aceita ajuda e a busca. É ainda mais feliz que buscando-a, a encontra!

Não sei até que ponto nosso caudilhismo latino-americano tem a ver com a leitura de auto-suficiência que fazemos dos grandes líderes da Bíblia. O certo é que, na maioria das vezes os vemos como pessoas que aconselham a todo mundo, mas não tem a quem falar dos seus problemas - a não ser a Deus (e essa “solidão olímpica” é entendida como prova de “espiritualidade” e desculpa para nossa auto-suficiência!).

Por isso, com muita facilidade nos esquecemos de episódios que desmentem essa imagem. Por exemplo: Moisés, que nos parece tão capaz, nada fazia sem o auxílio de Arão e prontamente aceitou o conselho de seu sogro (Ex.18.13-27). Paulo foi claramente orientado por Ágabo, em casa de Felipe, em Cesaréia, sobre as conseqüências de sua viagem a Jerusalém - embora coubesse a ele tomar a decisão correta (At. 21.8-14). E mesmo Jesus (de quem pode parecer absurdo e até blasfemo pensar que precisasse de ajuda) não quis estar sozinho em seu mais profundo momento de angústia, à sombra da cruz: levou consigo ao Getsêmane os discípulos e dentre eles pediu aos três mais íntimos companhia em oração (Mt. 26.36-46).

Não sei se pelo desapontamento de experiências como a de Jesus (causado pela indiferença ou inabilidade das pessoas a quem pedimos ajuda), por natural pudor de expormos nossos problemas ou por medo de quebrarmos nossa auto-imagem e nos tornarmos vulneráveis a comentários de colegas - muitos preferem buscar auxílio na literatura existente sobre o crescimento pessoal.

E, de fato, há bons livros disponíveis, evangélicos ou não, e podemos lê-los com proveito. Mas todos nós conhecemos o limite da auto-análise: falta-nos objetividade bastante para percebermos as armadilhas de nosso inconsciente, como o constata o salmista: “Quem pode discernir os próprios erros?” (Sl. 19.12a).

Daí a necessidade de termos pelo menos um amigo de confiança, companheiro de oração, a quem possamos expor nossos sentimentos, nossas lutas e nossos sonhos. E isso variará de acordo com nossas características pessoais e circunstanciais.

Alguns experimentamos o pequeno grupo de comunhão regular, de colegas onde a confiança mútua resulta em ajuda efetiva. Outros recorrem a um líder mais experiente, “pai” ou mentor espiritual e algumas igrejas até dispõem de bispos ou superintendentes que (tenham ou não este título) realmente conhecem e ajudam outros líderes. Mas alguns descobrirão que um colega de outra denominação, que tenha experiências semelhantes mas não esteja envolvido no mesmo quadro institucional é o “conselheiro” mais adequado. Outros, finalmente, estão abertos ao socorro do Senhor, que vem através de companheiros de jornada que Deus coloca em nosso caminho num dado momento e com quem podemos compartilhas livremente o peso que nos oprime.

Mas, seja qual for o meio escolhido, creio que é indispensável que desenvolvamos a transparência em nossos relacionamentos de tal modo que possamos aceitar, pedir e receber ajuda “no tempo oportuno”.